Casa da Criança de Tires – Casa de Acolhimento Residencial

Hóspedes do Tempo

“Os meses de verão são, por norma, tempo aproveitado para recuperar forças, tempo pessoal, tempo para dedicarmos a todos aqueles que constituem a nossa base sentimental. Findas as férias, fica quase sempre a sensação que soube a pouco, que passou rápido demais. O tempo e a velocidade com que ele passa pela nossa vida têm muito que se lhe diga.

Recentemente, tive a oportunidade de participar num workshop de Introdução à Interioridade.Percebi que, entre outros, um dos níveis da interioridade é exatamente o tempo. Fiquei também a entender que os gregos antigos utilizavam duas palavras para o tempo: chronos e kairós. A primeira palavra refere-se ao tempo cronológico ou sequencial, ao tempo que se mede, de natureza quantitativa. A palavra kairós possui uma natureza qualitativa e representa o momento indeterminado no tempo em que algo especial acontece.

A vida terrena é feita de tempo chronos. Para alguns de nós, esse tempo revela-se insuficiente para tudo o que desejaríamos fazer. Somos uma espécie de hóspedes por tempo indeterminado.
A boa notícia é que a vida terrena é também feita de tempo kairós. Cabe a cada um de nós fazer com que esse tempo aconteça.

Para muitos de nós, existem fases em que os acontecimentos estão ao nosso lado e nós vamos
tão depressa, tão focados nas nossas metas que perdemos o tempo. Noutros momentos, é o tempo que passa ao nosso lado e nós deixamos que ele avance.

A expressão “realização pessoal e profissional” continua na moda e não deixa de ser essencial no nosso rumo. A minha colaboração na Fundação Champagnat possibilitou-me conhecer pessoas que utilizam os seus talentos ao serviço dos outros. Olhando para elas, apercebo-me que, independentemente da sua idade, estão cheias de tempo e quanto mais tempo dão aos outros, mais tempo ganham. Talvez seja essa a verdadeira magia dos afetos: quanto mais damos, mais ricos nos tornamos.”

%d bloggers like this: